pontopm
Generic selectors
Somente correspondências exatas
Pesquisar no título
Pesquisar no conteúdo
Post Type Selectors

Policial usando keijō, ou não, está no hitsuban! Lições vindas do Japão.

Alice Gordenker, do The Japan Times, é uma articulista da coluna: então o que é isso? Sua responsabilidade é esclarecer questionamentos dos leitores, quando veem algo que os surpreendem.

Foi-lhe apresentada a seguinte questão:

Querida Alice,

Tenho notado sempre, quando passo numa Estação Policial (Koban) no Japão, que há quase sempre um policial de pé na frente segurando um taco de polo. É alguma forma de castigo? Se não, qual é a razão para usar a mão-de-obra desta maneira? Deve ter algo mais útil a ser feito pelo policial que justifique o uso os impostos dos contribuintes.

Nick T., Tóquio

Alice respondeu:

Caro Nick,

Quando recebi sua pergunta, a primeira coisa que fiz foi passear na delegacia de polícia local para ver se eu poderia confirmar sua observação. Com certeza, bem ali, na frente, estava um policial jovem e bonito, segurando um bastão muito grande. Às vezes, a melhor abordagem é a abordagem direta, então fui até onde estava o policial e perguntei se ele estava em algum tipo de problema. “Eu?” Ele disse, obviamente surpreso. “Não, de jeito nenhum.” E explicou que estava empenhado no negócio oficial de polícia chamadoritsuban.

Agora, antes de você adicionar o termo ao seu glossário, devo advertir que ele não está exatamente no vocabulário padrão. Nem sequer está listado no meu grande dicionário Kenkyusha verde. […] Eu encontrei “ritsuban” em um glossário bilingue de linguagem policial, Mas o equivalente inglês oferecido era “dever de ponto”, que é um termo que eu nunca ouvi antes e provavelmente não é muito utilizado no cotidiano do idioma inglês.

“Ritsuban” significa basicamente “ficar de guarda”. É uma prática que remonta à Era Meiji (1868-1912), quando o Japão criou seu moderno sistema policial. Mas é importante entender que os policiais que você viu fora dos Kobans estão ali para proteger a instalação e vigilantes aos possíveis problemas. Eles também se posicionam mais ostensivamente para tranquilizar os cidadãos e dissuadir aqueles com intenção criminosa. Mais importante ainda, eles estão se tornando acessíveis e disponíveis para qualquer coisa que possa surgir, seja uma verdadeira emergência ou um simples pedido de orientações. Com efeito, é como estender a recepção à rua.

Alguns leitores podem apreciar uma palavra, neste momento, sobre o bastão policial. É chamado de keijō e não se destina a apoiar o corpo enquanto está de pé, como as pessoas às vezes presumem, mas sim para afastar possíveis atacantes. Originou-se de uma arte marcial desenvolvida séculos atrás por samurais do clã Fukuoka para subjugar inimigos com um mínimo de danos corporais. O keijō foi adotado como equipamento padrão pela polícia de Tóquio por volta de 1930, e logo se espalhou para as forças policiais em todo o país. Hoje, a polícia japonesa carrega armas, mas sempre que possível, elas respondem com armas menos letais.

Você também pode ter notado que os policiais muitas vezes se deslocam à frente do koban, são subestações policiais, de um ou dois cômodos, encontrados nos bairros das cidades de todo o Japão. Eles estão empenhados, também, no ritsuban, mesmo se eles não estão segurando um bastão. Para obter os fatos sobre isso, eu solicitei uma entrevista na Agência Nacional de Polícia, que é a agência central de coordenação e estabelece normas e políticas para as forças policiais em todo o país. Hiroki Okita, subdiretor da Divisão de Assuntos Comunitários da Polícia da NPA, explicou que o ritsuban é uma das ferramentas mais básicas do policiamento comunitário em estilo japonês.

“Todo oficial de polícia no Japão, independentemente de sua posição ou especialidade, conduziu ritsuban em algum momento de sua carreira”, disse ele. “No Japão, a nossa ênfase está na intervenção precoce e prevenção do crime, através da vigilância e um compromisso estreito com os moradores. O koban é o centro dessa atividade, e a primeira atribuição para cada graduado da academia de polícia é trabalhar em um koban como um chiiki keisastukan (policial comunitário).

Existem mais de 87.000 oficiais — cerca de um terço da força nacional — atualmente trabalhando no nível koban,  dos quais, cerca de 7 por cento, são mulheres. As principais responsabilidades de um policial comunitário, conforme exigido por lei, é o patorōru (patrulhas a pé ou de bicicleta ); Saia em junkai renraku (visitas de rotina a casas e locais de trabalho para oferecer conselhos de prevenção ao crime, ouvir as preocupações dos moradores e apagar as informações de contato de emergência); E, claro, para conduzir ritsuban. No koban, os policiais podem decidir por si próprios ou não portar um keijō enquanto no dever ritsuban. Freqüuentemente eles se passam, para parecer mais amigáveis ​​e mais acessíveis.

A visibilidade do policiamento faz com que os moradores se sintam mais seguros, de acordo com Okita, e atua como um impedimento ao crime. É difícil, obviamente, para quantificar qualquer fator, mas as comunidades fazem lobby regularmente para patrulhas aumentou, bem como manter koban pessoal ao redor do relógio. E todos os anos há casos em que um oficial de ritsuban pega um criminoso ou pára um crime antes que ele possa acontecer.

Okita compartilhou um exemplo exitoso de um policial que estava no dever  do ritsuban fora de um koban em uma interseção ocupada de Tóquio. Ele notou uma senhora idosa que por ali passava e que parecia cansada e desorientada, então ele se aproximou dela e ofereceu-lhe um assento dentro.

Enquanto ela estava descansando, ele conversou com ela e soube que tinha acabado de chegar a Tóquio e estava a caminho de entregar dinheiro para seu filho. O oficial imediatamente suspeitou de um dos chamados golpes ” Ore, ore “, no qual os fraudadores telefonam para pessoas idosas e fingem ser um parente com necessidade urgente de dinheiro para ajudá-los a sair de uma confusão. (No ano passado, tais fraudes japonesas movimentaram mais de ¥ 40 bilhões). Ele convenceu a mulher a deixá-lo ajudá-la a chamar seu filho, que, afinal, não tinha feito contato nem tinha ideia de que ela estava em Tóquio.

A fraude teria sido bem sucedida se o policial não tivesse estado fora e notado que a mulher parecia estressada.

Ritsuban ensina um oficial a ser observador, e tornar-se sensível mesmo pequenas mudanças que sinalizam que algo não está certo”, explicou Okita. “É a própria base do trabalho policial japonês – o ponto de partida do qual tudo o mais evolui.”

São lições do cotidiano policial japonês que podem ser aplicadas às realidades brasileiras pelos profissionais de policia ostensiva e preservação da ordem pública.

Fonte: The Japan Times.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre o(a) Autor(a):

Picture of Isaac de Souza

Isaac de Souza

(1949 _ _ _ _) É Mineiro de Bom Despacho. Iniciou a carreira na PMMG, em 1968, após matricular-se, como recruta, no Curso de Formação de Policial, no Batalhão Escola. Serviu no Contingente do Quartel-General – CQG, antes de matricular-se, em 1970, e concluir o Curso de Formação de Oficiais – CFO, em 1973. Concluiu, também, na Academia Militar do Prado Mineiro – AMPM, os Cursos de Instrutor de Educação Física – CIEF, em 1975; Informática para Oficiais – CIO, em 1988; Aperfeiçoamento de Oficiais – CAO, em 1989, e Superior de Polícia – CSP, em 1992. Serviu no Batalhão de RadioPatrulha (atual 16º BPM), 1º Batalhão de Polícia Militar, Colégio Tiradentes, 14º Batalhão de Polícia Militar, Diretoria de Finanças e na Seção Estratégica de Planejamento do Ensino e Operações Policial-Militares – PM3. Como oficial superior da PMMG, integrou o Comando que reinstalou o Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Sargentos, onde foi o Chefe da Divisão de Ensino de 92 a 93. Posteriormente secretariou e chefiou o Gabinete do Comandante-Geral - GCG, de 1993 a 1995, e a PM3, até 1996. No posto de Coronel, foi Subchefe do Estado-Maior da PMMG e dirigiu, cumulativamente, a Diretoria de Meio Ambiente – DMA. No ano de 1998, após completar 30 anos de serviços na carreira policial-militar, tornou-se um Coronel Veterano. Realizou, em 2003-2004, o MBA de Gestão Estratégica e Marketing, e de 2009-2011, cursou o Mestrado em Administração, na Faculdade de Ciências Empresariais da Universidade FUMEC. É Fundador do Grupo MindBR - Marketing, Inteligência e Negócios Digitais - Proprietário do Ponto PM.