pontopm
Generic selectors
Somente correspondências exatas
Pesquisar no título
Pesquisar no conteúdo
Post Type Selectors

O PROCESSO DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL.

inteligencia-artificial

Quando se quer dominar o conhecimento, transformamos todas as formas físicas de produção intelectual em formas digitais, destruímos as fontes materiais e, depois, criamos algoritmos para que as pessoas só acessem aquilo que entendemos que elas devam saber.
CARLOS ALBERTO DA SILVA SANTOS BRAGA

Ao longo da história, a partir do momento em que se criam formas de se registrar os atos, fatos, eventos, inventos, produção intelectual e acontecimentos, a guerra mais importante travada, é a guerra pelo domínio do conhecimento. São as passagens históricas que nos mostram as formas como os povos, ditos mais avançados, se relacionaram com os novos mundos, as novas culturas e os novos povos – seja na África, na Ásia, na América, ou ainda, na Oceania.

O que prevalece, desde então, é a manutenção de um conhecimento a partir da verdade europeia. Uma verdade onde aquilo que não conhecido, é desconstruído, é devastado, é destruído ou reconstruído a partir da verdade e do conhecimento dominado por eles próprios.

Dominar o conhecimento sempre se mostrou como uma oportunidade de negócios, de domínios intelectuais, de geração de riqueza e, sobretudo, da exploração dos outros – os não europeus. Aqui não se incluem, aqueles que atendam ao conceito de branco, anglo-saxão e protestante. Não se iludam, por mais que se estruture num discurso ideológico de inclusão, respeito, direitos humanos e igualdade, tudo isso são algoritmos – conjunto de regras e procedimentos lógicos perfeitamente definidos que levam a solução de um problema em número finito de etapas – construídos para dominar a retórica e construir a subserviência ideológica.

O processo de estruturação de tudo isso atinge o seu ápice com a Inteligência Artificial, realmente uma composição de palavras que expressa exatamente o que é: uma inteligência criada artificialmente. Não são registros automáticos de memória – as sinapses, que guiam a construção do conhecimento, não são as vivências, as informações, as situações criadas ao longo da vida que cria a sua capacidade de resposta, mas única e exclusivamente um algoritmo.

Dentro da Inteligência Artificial, os estruturadores de textos que resolvem um problema, que criam uma redação, que elaboram uma dissertação, que planejam uma aula, que na essência fazem aquilo que a grande maioria das pessoas, na atualidade, não consegue fazer: pensar. E as tornam no que são: incautas.

Todas as redes sociais, todos os jogos digitais ao ar livre, todos os jogos on-line, todos enigmas criados e partilhados de forma digitalizada, têm um propósito: validar um algoritmo. Demonstrar a capacidade e o domínio do meio digital, revelar o poder criador e a capacidade de gerar riquezas para uma pessoa, um pequeno grupo de pessoas, ou ainda uma ideologia, nunca gerará riqueza para uma comunidade, nem mesmo na forma de arrecadação de impostos.

No entanto, aos meros utilizadores dos meios informatizados, o que importa? Às custas de uma pseudo-facilidade, entregam todas as suas informações, tudo que há de registros públicos, privados ou audiovisuais à respeito da sua pessoa. Mesmo assim, são felizes, não precisam de manifestar aquilo que realmente não possuem: inteligência, somos incautos. Não mensuramos o valor de nós próprios e vivemos uma distopia, uma sociedade que entrega o seu futuro ao algoritmo.

O processo já está avançado, não há retorno, muito já se destruiu e a única forma de acesso é na forma digitalizada. Quando se quer dominar o conhecimento, transformamos todas as formas físicas de produção intelectual em formas digitais, destruímos as fontes materiais e, depois, criamos algoritmos para que as pessoas só acessem aquilo que entendemos que elas devam saber.

Ajudamos as pessoas na relação com o meio digital, você não precisa saber exatamente o quer, nós nos incumbimos de criar atalhos para você. Digite apenas a primeira sílaba e nós ofertaremos diversas sugestões de nomes. Demonstre o que você sente, através de uma palavra e nós ofertaremos inúmeras respostas ao seu questionamento, à sua ânsia, ao seu desejo.

Não se preocupe, ninguém se importará com a origem do seu conhecimento. Ninguém se importará com a veracidade da sua informação. Ninguém questionará a sua ideia. Afinal a grande expectativa é de que o meio digital nos torne iguais, inclusos, respeitosos e felizes com a nossa própria ignorância, onde estar conectado e receber a ração de cada dia será o grande mérito.

Mas como tudo, há a antítese, o lado sombrio do algoritmo, a deepweb, o submundo, a podridão, o lodo movediço que tudo engole, este é o pari passu com a luz, onde as informações deixam de ter ética, legalidade e moralidade. Onde se rastreiam os resultados de exames tendentes às necessidades fisiológicas, nos mais estúpidos e imorais fins. Onde as imagens e os sons deixam de guardar correlação com a verdade do mundo. Onde vemos, mas não enxergamos.

Particularmente eu não tenho medo do homem que criou o algoritmo e, nem tampouco do homem que domina o computador, o meu medo é do homem que poderá desligar tudo isso e, como validador, não dispondo das fontes primárias – tempestivamente destruídas para validar a Inteligência Artificial – tenha que voltar às trevas e reconstruir tudo novamente num ambiente de pura barbárie.

8 respostas

  1. Parabéns Major Carlos Braga, muito pertinente seu texto para o momento líquido, midiático e imediatista. Sua contribuição é muito importante.

    1. Minha querida Márcia Alkimim, obrigado eu por encontrar ressonância em pessoas que, como você, lidam diretamente com as fontes primárias do conhecimento. Seu trabalho no Arquivo Público Mineiro o faz crescer e validam os argumentos que sustentam as minhas ideias. O espaço virtual PontoPM é o caminho que nos valemos para expressar as nossas convicções sobre a sociedade atual. Cumprimentos.

  2. Muito forte esse texto, principalmente no último parágrafo me fez pensar no perigo que nós a humanidade corremos todos os dias e não estamos atentos a isso. Parabéns meu irmão e obrigada por nos proporcionar tamanha riqueza e conhecimento a respeito desse tema tão atual. Deus continue te abençoando e usando a cada dia.

  3. Minha querida irmã, muito obrigado por ser presença em minha vida, Deus a abençoe. Realmente vivemos uma sociedade de incautos, guiados por lobos, aguardando o som das trombetas para regressarmos à caverna e nos escondermos de nós mesmos pela vergonha acusada a nós próprios. Afinal é mais fácil manipular uma sociedade pela beleza visual do que pelas palavras escritas que demandam conhecimento e capacidade de interpretação. É o que nos tornamos e por obrigação, através do espaço virtual PontoPM, procuro expressar o que sinto e o que me ofende como homem. Tomara sejamos capazes de reverter isso.

  4. CARLOS BRAGA,

    Thomas Hobbes enxergou que o estado da natureza (“homo neandertal”) era nada harmonioso e o homem seria o lobo do próprio homem; uma vez em sociedade (“homo sapiens”) os indivíduos estariam em uma situação de permanente conflito numa “guerra de um contra todos e de todos entre si”, numa eterna luta de dominação.

    Pierre Bourdieu, sociólogo francês, viu que a vida social se estabelece entre dominantes e dominantes com a posição de cada pessoa variando em função do capital econômico, cultural e social.

    Estamos vivendo numa dobra do tempo na qual o homo sapiens estará em processo acelerado e a caminho sem volta de ceder seu lugar ao “homo algorítmico”, que já não mais pensa mas reage dominado e escravo da criatura gpt que agora pensa por si.

    Certamente a cidade de Dubai seja o estado da arte da sociedade algorítmica, com tudo tecnologicamente perfeito para atender o criador (ser humano) pela criatura gpt (IA) que tornará aquele naturalmente fraco e dominado por esta besta tecnológica e apocalíptica, o verdadeiro leviatã, conforme Hobbes e as profecias espirituais de referência.

    O fundador de Dubai, respondendo sobre o que achava sobre o futuro da cidade, disse com todas as letras: “Meu avô andava de camelo, eu ando de Mercedes, meu filho anda de Land Rover, o meu neto vai andar de Land Rover, e meu bisneto vai andar de camelo”.

    A barbárie jaz logo ali à espera da luta final na qual os fracos dominarão os muitos fracos, a maioria, com paus e pedras ao modo neandertal de ser…

    Quem viver, verá…

    1. Meu caro Amigo Ernest Soares, bom-dia! As suas palavras revelam o que sempre fomos e seremos. Realmente vivemos uma sociedade de incautos, guiados por lobos, aguardando o som das trombetas para regressarmos à caverna e nos escondermos de nós mesmos pela vergonha causada a nós próprios. Afinal é mais fácil manipular uma sociedade pela beleza visual do que pelas palavras escritas que demandam conhecimento e capacidade de interpretação. É o que nos tornamos e por obrigação, através do espaço virtual PontoPM, procuro expressar o que sinto e o que me ofende como homem. Tomara sejamos capazes de reverter isso.

  5. “Afinal a grande expectativa é de que o meio digital nos torne iguais, inclusos, respeitosos e felizes com a nossa própria ignorância, onde estar conectado e receber a ração de cada dia será o grande mérito.” Já está acontecendo, infelizmente. Seguimos no caminho do inevitável “desligamento”.
    Só Deus, para nos livrar do mal do homem contra o homem.

    1. Meu caro Amigo Antônio Roberto Sá, nada a acrescentar, o que é, já está, a distopia reina, só nos resta formar os nossos com os nossos sentidos e valores e esperar que se tornem diferenciados neste mundo de incautos. O espaço virtual PontoPM é o caminho que encontro para expressar a minha indignação, muito obrigado por se fazer presença comigo nesta batalha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre o(a) Autor(a)

Carlos Alberto da Silva Santos Braga

Carlos Alberto da Silva Santos Braga

Major PM Carlos Alberto da Silva Santos Braga, natural de Bom Despacho - MG é Aspirante-a-Oficial da Turma de 1987. Ingressou na PMMG no ano de 1982, no Batalhão de Polícia de Choque, onde fez o Curso de Formação de Soldados PM. É Especialista em Trânsito pela Universidade Federal de Uberlândia e Especialista em Segurança Pública pela Fundação João Pinheiro. Durante o serviço ativo como Oficial na PMMG - 1988 a 2004 - participou de todos os processos estruturantes do Ensino, Pesquisa e Extensão. Nos anos de 1989 e 1990 participou da formação profissional da Polícia Militar do então Território Federal de Roraima durante o processo de efetivação da transformação em Estado. Foi professor da Secretaria Nacional de Segurança Pública nos Cursos Nacionais de Polícia Comunitária. A partir de 2005, na Reserva da PMMG, trabalhou como Vice-Diretor da Academia de Polícia Integrada de Roraima - Projeto da SENASP - foi Membro do Conselho Estadual de Trânsito de Roraima, Membro do Conselho Diretor da Fundação de Educação Superior de Roraima - Universidade do Estado de Roraima, Coordenador do Curso Superior de Segurança e Cidadania da Universidade do Estado de Roraima. Foi Superintendente Municipal de Trânsito de Boa Vista, Superintendente da Guarda Civil Municipal de Boa Vista, Assessor de Inteligência da Prefeitura Municipal de Boa Vista e professor nos diversos cursos daquela Prefeitura. Como reconhecimento aos serviços prestados ao Município de Boa Vista e ao Estado de Roraima foi agraciado com o Título de Cidadão Honorário de Boa Vista - RR e com a Medalha do Mérito do Forte São Joaquim do Governo do Estado de Roraima. Com dupla nacionalidade - brasileira e portuguesa - no período de fevereiro de 2016 a outubro de 2022, residiu em Braga - Portugal onde desenvolveu projetos de estudos na área do Conhecimento. Acadêmico-Correspondente da Academia Maranhense de Ciências Letras e Artes Militares - AMCLAM.