pontopm
Generic selectors
Somente correspondências exatas
Pesquisar no título
Pesquisar no conteúdo
Post Type Selectors

No “Enem com Base”, alunos são preparados por policiais militares da Base Comunitária de Segurança de Amaralina.

Nas ações de polícia ostensiva, há muitas escolhas estratégicas, para a aproximação dos profissionais de #políciaostensivaepreservaçãodaordempública. E os servidores militares da Polícia Militar do Estado da Bahia (PMBA), que atuam na Base Comunitária de Segurança do Nordeste de Amaralina, escolheram aproximar-se dos jovens daquela localidade por meio das atividades escolares e preparatórias para o Exame Nacional do Ensino Médio – Enem.

Desse modo, dois militares — os soldados Rafael e Aureliano — e mais dois voluntários — Nilton César e Jeivison dos Anjos — são os professores do “Enem com Base” que funciona em uma das salas daquela base comunitária de segurança.

Conheça mais detalhes, lendo o conteúdo da nota publicada no portal da PMBA.

Nas noites de segunda a sexta-feira, das 18h às 21h, uma sala da Base Comunitária de Segurança do Nordeste de Amaralina é destinada aos jovens da comunidade que estão estudando para a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Idealizado por um policial militar que enxerga os estudos como uma grande oportunidade na vida desses adolescentes, o projeto “Enem com Base” está em seu terceiro ano.

Das 50 vagas oferecidas para a comunidade, 120 alunos se inscreveram. “Com tanta vontade para estudar, apesar de o espaço ser pequeno, conseguimos colocar 63 alunos na turma”, conta o capitão Elder, comandante da Base que abraçou a ideia do soldado Rafael Pastor.

O pré-vestibular gratuito conta com o esforço de dois policiais militares da Base. Além de Rafael, que leciona na área de saúde, o soldado Aureliano assume a área de exatas. Eles contam com a sensibilidade e boa vontade de outros dois voluntários, o professor de geografia e atualidades Nilton César, e o de língua portuguesa e redação Jeivison dos Anjos.

Os quatro professores conseguem abranger todas as disciplinas e oferecer aos jovens do bairro – que estudam ou estudaram em colégios públicos – uma melhor preparação para o exame. Marcelo Souza, de 18 anos, foi aluno da turma passada, e a família não tinha condições de arcar com os custos de um cursinho preparatório. “Estudava no Colégio Polivalente de Amaralina e fazia o curso na Base Comunitária. Me ajudou muito. Para minha mãe foi ótimo, porque eu também não precisava pagar transporte”, conta o aluno aprovado em física na Uneb, e aprovado através do Prouni em duas faculdades particulares nos cursos de engenharia e contabilidade.

Assim como Marcelo, outros alunos também conseguiram ser aprovados garantindo bolsa de estudos através do Prouni em faculdades privadas, motivo de orgulho para os professores, PMs e civis, que disponibilizam do tempo livre para ajudar a comunidade. “Sou do interior, da cidade de Serrinha, e sempre estudei com muito esforço para alcançar meus objetivos. Quando passei na Ufba e vim morar em Salvador, precisava trabalhar para me manter. Continuei a estudar e consegui passar no concurso da polícia. Hoje, através dos meus conhecimentos, tento ajudar a quem precisa porque acredito na diferença que os estudos fazem na formação de um cidadão. Eles só precisam de uma oportunidade”, ressalta o soldado Rafael Pastor.

Fonte: PMBA.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre o(a) Autor(a):

Picture of Equipe PontoPM

Equipe PontoPM