pontopm
Generic selectors
Somente correspondências exatas
Pesquisar no título
Pesquisar no conteúdo
Post Type Selectors

Espaços públicos e significados.

Largo, Larguinho, Campo, Praça, Rotunda e Praceta são alguns espaços públicos e significados divergentes, nos lugares que falam o Português. Sem desmerecer e, muito menos ainda, desconhecer os esforços dos nobres pares que, passando por vários significados viários, julgam ser a mesma coisa, aquilo que conceitualmente não o é.

Por muitos anos, até residir em Portugal, me perguntava “O por quê de Larguinho?” aquilo que para mim era uma pequena praça, que existe na minha Bom Despacho, no Estado de Minas Gerais, atualmente conhecida como Praça Altino Teodoro.

Como especialista em mobilidade urbana sabia que conceitualmente o “larguinho” ou o pequeno largo, também não poderia ser praça, haja vista ser a “praça” um encontro de várias ruas ou avenidas, que a cortam diametral ou radialmente, ou ainda um espaço ladeado por três ou quatro ruas ou avenidas diferentes, permitindo a circulação em todo o seu perímetro, ou de veículos, ou de pessoas ou de animais.

Em Braga – Portugal, eu residia numa Praceta, conceitualmente uma pequena praça acessada apenas por uma via de entrada e saída, quase um condomínio fechado.

Pouco acima estava o Campo das Hortas, uma praça maravilhosa e pouco mais à esquerda o Campo das Vinhas, outra magnífica praça, estava alargado o meu entendimento de “praças”. Abaixo da minha morada, na via de acesso à Praceta, havia uma Rotunda, ou seja, uma rotatória, um artifício da engenharia de trânsito para redução de conflitos e fluidez do tráfego.

Mas e o Larguinho, o pequeno Largo? Bom, como o próprio nome o diz, algo que se torna óbvio quando se vive a criação romana de antes de Cristo, um Largo ou Larguinho, é um espaço público, ao largo da via, na lateral da via, com acesso apenas pela lateral daquela via, não há encontro de outras vias e nem tampouco cruzamentos e que adentra ao perímetro do quarteirão ou quadra – conforme a linguagem local.

Como diziam os povos de antanho: “Passei ao largo”, que quer dizer
“passei pelo comprimento do lado”. Ou ainda, como reforço de linguagem, um grande veículo com a inscrição em espanhol “veiculo largo” veiculo comprido.

Assim, eu posso cruzar uma Praça, adentrar à uma Praceta, confluir num Campo, fazer uma manobra na circulação de uma Rotunda, mas nunca poderei executar tais operações de trânsito, como as descritas, num Largo ou Larguinho, pois o objetivo de ambos é o acesso a um espaço público com circulação de veículos, pessoas ou animais de forma condicionada.

Depois de anos, percebo que o Larguinho, na minha Bom Despacho, pode ter sido edificado com o sentido de origem, no entanto, hoje é uma Praça e só romanticamente é considerado como um Largo.

Espero ter ajudado.

8 respostas

  1. Artigo diferente, com abordagem simples, que retrata uma passagem relevante na vida do autor, nos levando a compartilhar das mesmas emoções.

    Parabéns!

    1. Caro Amigo Valter Braga do Carmo, vivemos das emoções e das respostas aos estímulos da memória. A nossa memória, que se constrói a cada dia com novas imagens e saudades. Assim o somos. Obrigado por compartilhar comigo do espaço virtual PontoPM.

  2. Que linda toda essa explicação de lugares tão diferenciados, ao lê me senti transportada por cada um e ter essa emoção de lembranças de Portugal e de minha amada terra Natal Bom Despacho. Que Deus continue te abençoando e usando muito meu amado irmão. Te admiro e te amo! Um beijo e abraços.

    1. Minha querida irmã Deus é conosco e n’Ele vivemos a alegria de Conhecer e conhecendo compartilhar a alegria, as memórias, os sinais, as linguagens e os afetos. Realmente você pode vivenciar todos estes lugares e se alegrar pela Graça da visão, vendo enxergou e enxergando se fez memórias. Obrigado pela sua atenção aos meus escritos e pela visita ao espaço virtual PontoPM.

  3. Muita ” gente boa”, de vasto conhecimento ainda confunde as definições desses termos e suas correlações. Parabéns! Achei interessante! Informativo!

    1. Meu caro Amigo Celton Godinho de Assis, de boas e felizes memórias, realmente nos acostumamos aos conceitos e desconsideramos as formas. Valho-me do espaço virtual PontoPM para, no que me é possível, reconstruir as imagens. Muito obrigado pelas palavras.

  4. Muito interessante saber, ao pé da letra o significado de espaços públicos, necessários e agradáveis à nossa convivência. Eu até tentaria intuitivamente defini-los, porém não acertaria todos.
    Muito obrigado pelos esclarecimentos.

  5. Meu caro Amigo Antônio Roberto Sá, apenas brincamos e brincando acrescentamos um pouco mais de conhecimento. Obrigado por se divertir conosco no espaço virtual PontoPM.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre o(a) Autor(a)

Carlos Alberto da Silva Santos Braga

Carlos Alberto da Silva Santos Braga

Major PM Carlos Alberto da Silva Santos Braga, natural de Bom Despacho - MG é Aspirante-a-Oficial da Turma de 1987. Ingressou na PMMG no ano de 1982, no Batalhão de Polícia de Choque, onde fez o Curso de Formação de Soldados PM. É Especialista em Trânsito pela Universidade Federal de Uberlândia e Especialista em Segurança Pública pela Fundação João Pinheiro. Durante o serviço ativo como Oficial na PMMG - 1988 a 2004 - participou de todos os processos estruturantes do Ensino, Pesquisa e Extensão. Nos anos de 1989 e 1990 participou da formação profissional da Polícia Militar do então Território Federal de Roraima durante o processo de efetivação da transformação em Estado. Foi professor da Secretaria Nacional de Segurança Pública nos Cursos Nacionais de Polícia Comunitária. A partir de 2005, na Reserva da PMMG, trabalhou como Vice-Diretor da Academia de Polícia Integrada de Roraima - Projeto da SENASP - foi Membro do Conselho Estadual de Trânsito de Roraima, Membro do Conselho Diretor da Fundação de Educação Superior de Roraima - Universidade do Estado de Roraima, Coordenador do Curso Superior de Segurança e Cidadania da Universidade do Estado de Roraima. Foi Superintendente Municipal de Trânsito de Boa Vista, Superintendente da Guarda Civil Municipal de Boa Vista, Assessor de Inteligência da Prefeitura Municipal de Boa Vista e professor nos diversos cursos daquela Prefeitura. Como reconhecimento aos serviços prestados ao Município de Boa Vista e ao Estado de Roraima foi agraciado com o Título de Cidadão Honorário de Boa Vista - RR e com a Medalha do Mérito do Forte São Joaquim do Governo do Estado de Roraima. Com dupla nacionalidade - brasileira e portuguesa - no período de fevereiro de 2016 a outubro de 2022, residiu em Braga - Portugal onde desenvolveu projetos de estudos na área do Conhecimento. Acadêmico-Correspondente da Academia Maranhense de Ciências Letras e Artes Militares - AMCLAM.