pontopm
Generic selectors
Somente correspondências exatas
Pesquisar no título
Pesquisar no conteúdo
Post Type Selectors

“Controvérsias sobre o Alferes”!

Nesta semana, os profissionais de polícia ostensiva e preservação da ordem pública homenageiam o Alferes* Tiradentes — Patrono de suas respectivas Instituições Militares Estaduais. As histórias e estórias sobre Tiradentes são muitas. Mas, a História é, certamente, a que confere veracidade, pois é fruto de pesquisas a documentos e a historiadores respeitados, com os respectivos registros.

Um desses registros históricos é A Polícia Militar através dos tempos — dos Primórdios ao Regimento Regular de Cavalaria (volume I)

Naquele compêndio, encontram-se as “Controvérsias sobre o Alferes”, onde o autor destaca algumas considerações históricas sobre o bigode e a barba do Alferes Tiradentes, que têm sido motivo de falácias descabidas.

Em seguida, destacam-se as informações referenciadas:

Bigode

Tiradentes nunca usou bigode, mas alguns historiadores dizem que sim. O engano é comum entre aqueles que não estão familiarizados com a História Militar. Baseiam eles no fato de ter Tiradentes procurado o Vice-Rei do Rio de Janeiro, em maio de 1789, por estar sendo seguido por dois granadeiros à paisana. Diante da mais alta autoridade política e militar do Brasil-Colônia, o Alferes Xavier, corajoso, franco e destemido, instou-lhe:desejo saber porque estou sendo vigiado por dois granadeiros à paisana e sem bigode. Interpretando a frase sem bigodes, sem maiores conhecimentos da arte militar, certos biógrafos de Tiradentes escreveram que o Alferes usava bigode. Se, todavia, tivermos cuidando de retroceder à origem dos granadeiros, lá nos séculos XVI/XVII, veremos que, no início, eles não formavam corpos separados, faziam parte de uma ou duas Companhias do Regimento — Infantaria ou Cavalaria. Daí, a necessidade de fazê-los usar bigode para diferenciá-los do restante da tropa. E somente eles poderiam usá-lo. Na primeira e na segunda décadas do século XIX, com a vinda da Família Real Portuguesa para o Brasil, é que o costume de bigode ou de costeleta na Infantaria ou Cavalaria, respectivamente, se tornou usual. D. Pedro I, nosso Primeiro Grande Imperador, Comandante em Chefe das Armas de Cavalaria e de Infantaria, usava os dois: costeleta e bigode. Enganam-se os que dizem que Tiradentes os tenha usado.

Barba

Outro engano. Os homens bons, isto é, aqueles que podiam votar e ser votados, e os da nobreza adquirida ou de sangue não usavam barba nem bigode. Seguiam-se os costumes anglo-franceses da época e isso não se permitia. Tiradentes pertencia a uma família de destaque. Seu pai fora inclusive vereador, posição sociopolítica invejada e respeitada naqueles tempos Além do mais, Joaquim José da Silva Xavier, sendo Alferes, de acordo com o Regulamento do Rei D. Sebastião, de 28 de Julho de 1570, era nobre.

A barba do alferes Xavier surgiu, a partir de 1872, quando o Partido Republicano ganhou espaço propagandístico, após o término da Guerra do Paraguai.

Na época, cem anos depois da morte de Joaquim José, o uso da barba era moda entre as grandes autoridades civis e militares. Nos Estados Unidos, Lincoln era um respeitável exemplo. No Brasil: Dom Pedro II, Caxias, Tamandaré, Rio Branco e tantos outros.

segundo o historiador Augusto de Lima Jr., contrataram o pintor italiano Angelo Agostinho para pintar o Alferes. O artista usou um quadro de Jesus Cristo como modelo. Quando se implantou a República, foi esse quadro reproduzido nos livros de História. A estátua existente defronte à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro seguiu o mesmo padrão. E, assim, outras.

Não tem fundamento o argumento simplista de que Tiradentes ficou barbudo na prisão: era proibido usar pelos no rosto e na cabeça, a fim de evitar muquiranas (piolhos). Na Casa de Misericórdia, havia um funcionário para cuidar dos presos diariamente.

Com relação a Tiradentes, ele não usava o serviço do barbeiro para barbear-se. Ele possuía duas navalhas e um espelho na prisão, com os quais ele cuidava de sua higiene facial.

Tiradentes foi executado escanhoado e cabeça completamente raspada. Queira-se ou não se queira, foi assim que Tiradentes foi morto. A história é esta!

* Alferes é uma palavra de origem árabe. Formada pelo artigo al + faris, fairis (do Persa e do Árabe: cavaleiro), significa, em Português, cavaleiro, escudeiro. Também pode significar cavalheiro, o que quer dizer pessoa polida, conhecedora de etiqueta; homem muito educado no relacionamento com seus semelhantes, sobretudo com as mulheres; Alferes pode ser também, portanto, um “gentleman”. Há pessoas que afirmam ser o Alferes de origem latina — aquilifer — significando o legionário que conduzia a insígnia de uma imponente águia, símbolo da força dos antigos exércitos romanos. Não obstante o latin ser nossa língua-mãe, o árabe exerceu grande influência no vocabulário português durante o período em que dominou a Península Ibérica. Para nós, o mais correto é considerar a palavra como sendo de origem árabe, como quer a maioria. Na Alemanha era o posto de Oficial-aluno. Na França, chamava-se enseigne, porque a bandeira que conduzia tinha o nome de enseigne; no final do séc. XVIII, foi substituído por sous-lieutenant (subtenente). Nos Estados Unidos, a partir de 1800, Alferes significava oficial-aluno. O posto de Alferes sobreviveu, no Brasil, no Exército e nas Polícias Militares, até 1930.

Na página encontra-se o link de acesso ao seriado “Liberdade Liberdade”, da Rede Globo de Televisão, onde é possível ver , no episódio final, Tiradentes, sem barba e sem bigode, antes de ser enforcado.

Fonte:Pontopm.

Uma resposta

  1. Pingback: | Pontopm

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre o(a) Autor(a):

Picture of Isaac de Souza

Isaac de Souza

(1949 _ _ _ _) É Mineiro de Bom Despacho. Iniciou a carreira na PMMG, em 1968, após matricular-se, como recruta, no Curso de Formação de Policial, no Batalhão Escola. Serviu no Contingente do Quartel-General – CQG, antes de matricular-se, em 1970, e concluir o Curso de Formação de Oficiais – CFO, em 1973. Concluiu, também, na Academia Militar do Prado Mineiro – AMPM, os Cursos de Instrutor de Educação Física – CIEF, em 1975; Informática para Oficiais – CIO, em 1988; Aperfeiçoamento de Oficiais – CAO, em 1989, e Superior de Polícia – CSP, em 1992. Serviu no Batalhão de RadioPatrulha (atual 16º BPM), 1º Batalhão de Polícia Militar, Colégio Tiradentes, 14º Batalhão de Polícia Militar, Diretoria de Finanças e na Seção Estratégica de Planejamento do Ensino e Operações Policial-Militares – PM3. Como oficial superior da PMMG, integrou o Comando que reinstalou o Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Sargentos, onde foi o Chefe da Divisão de Ensino de 92 a 93. Posteriormente secretariou e chefiou o Gabinete do Comandante-Geral - GCG, de 1993 a 1995, e a PM3, até 1996. No posto de Coronel, foi Subchefe do Estado-Maior da PMMG e dirigiu, cumulativamente, a Diretoria de Meio Ambiente – DMA. No ano de 1998, após completar 30 anos de serviços na carreira policial-militar, tornou-se um Coronel Veterano. Realizou, em 2003-2004, o MBA de Gestão Estratégica e Marketing, e de 2009-2011, cursou o Mestrado em Administração, na Faculdade de Ciências Empresariais da Universidade FUMEC. É Fundador do Grupo MindBR - Marketing, Inteligência e Negócios Digitais - Proprietário do Ponto PM.