pontopm
Generic selectors
Somente correspondências exatas
Pesquisar no título
Pesquisar no conteúdo
Post Type Selectors

“Joaquim”, O Tiradentes, na Berlinale de 2017.

Iniciado na segunda quinta-feira (9), e encerrada neste domingo (19), de fevereiro, aconteceu o 67º Festival Internacional de Cinema de Berlin.

O Brasil teve participação marcante, “com o longa histórico ‘Joaquim'”, do cineasta pernambucano Marcelo Gomes e equipe, exibido nesta última quinta-feira (19). Trata-se de mais um filme “sobre a vida do mártir Tiradentes, enforcado e esquartejado por ter participado da Inconfidência Mineira contra a soberania de Portugal”.

Segundo a RFI, “Marcelo deu asas à ficção”, ao afirmar que:

“O filme foi inspirado em fatos históricos mas, na verdade, o que se tem de documento sobre o nosso Tiradentes é a certidão de batismo e o processo de julgamento dele, que é o auto de devassa.

Sobre esse momento de mudança de paradigma, em que ele era um soldado da coroa e se torna um rebelde da coroa, não existe nenhum documento histórico. E eu queria falar desse momento de mudança de paradigma“, observa o diretor, que concorda que deu asas à imaginação, mas se apropriando de fatos reais: “Ele era um soldado, ele era um dentista, ele perdeu a cabeça, ele participou da Inconfidência”.

Não há muita clareza, na notícia divulgada, na explicação do cineasta, quando afirma que “o enredo não chegou até a Inconfidência, propositadamente. Para ele, uma das motivações de Tiradentes mudar de campo pode ter sido a descoberta de que era tão marginalizado quanto os escravos, os índios e os mestiços”.

No dizer de Marcelo, “[…] ninguém nasce herói. ‘São contingências da vida, problemas profissionais, frustrações afetivas e reflexões sobre a própria vida que levam você a tomar um ato heroico'”.

O lançamento de “Joaquim”, no Brasil, é esperada “em uma data simbolicamente escolhida: 21 de abril, dia de Tiradentes e feriado nacional. E “o cineasta espera que os brasileiros recebam o filme com o coração aberto”:

“Acho que a gente vive um momento no Brasil que é um “Fla-Flu” muito grande. Se você é do amarelo não quer ninguém do azul, se voce é do azul não quer ninguém de vermelho, acho que a gente tem que parar com isso porque se a gente ama o nosso país, a gente tem que entender melhor o passado, as fraturas sociais do passado para compreender melhor o presente, e dentro do presente o passado está mais vivo do que nunca. E a partir daí apontar soluções para o futuro, e parar com esse “Fla-Flu”!, enfatiza Gomes, concluindo que espera que “todas as torcidas vejam o filme”(sic).

A notícia sobre as declarações do cineasta, no Jornal O Globo, há mais clareza, na intenção do cineasta, quanto à mudança de direção no enredo do filme, diferente dos anteriores.

É preciso ver o filme e entender sua mensagem. Vamos aguardar.

A história pode ser vista de diferentes ângulos. Sobre a história do Alferes Tiradentes — O Patrono Cívico Brasileiro e Patrono das Polícias Civis e Militares brasileiras — há os que se posicionam, de um lado, para valorizá-lo e, do outro lado, para desmoralizá-lo.

No Livro, A Polícia Militar Através dos Tempos — Dos primórdios aos Regimento Regular de Cavalaria, há informações históricas que enaltecem o Joaquim José da Silva Xavier — O Tiradentes.

Mas, há muitas outras estratégias utilizadas, para desconstruir o herói e torná-lo em mito. Como explicar?

Enquanto isso, são oportunas as palavras de Paulo da Costa e Silva — Jornalista da Revista de História da Biblioteca Nacional:

O ideal não é desconstruir o mito, mas procurar compreender sua construção, como se forjou Tiradentes como salvador da pátria, como a figura mais importante de nossa História, com direito inclusive a um feriado, o 21 de abril”.

E acrescenta Paulo da Costa e Silva:

Na opinião de Márcio Jardim, Tiradentes não pode ser encarado apenas como um mito: “É um personagem real da História do Brasil. A circunstância de Tiradentes ser considerado mito deriva do fato de sua figura histórica ter sido apropriada ao longo da História do Brasil, tanto no Império como na República, e ainda no século XX ter sido usada indistintamente, tanto pela esquerda – como símbolo de revolta contra os opressores e dominadores – como pela direita, como símbolo de herói militar nacionalista. Na verdade, Tiradentes não precisa ser elogiado ou diminuído, mas entendido como homem iluminista, racional e radicalmente imbuído da convicção de que era melhor para o Brasil tornar-se independente de Portugal. Não deve haver releitura negativa ou positiva, mas tão-somente interpretação documental, segundo as características de sua época, e não de acordo com as do nosso tempo. Os documentos sobre Antônia Maria e Joaquina em nada diminuem ou elevam a figura pessoal ou histórica de Tiradentes. Apenas ajudam a situá-lo como homem comum que foi, distante de um personagem idealizado”.

Com as informações da RFI.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre o(a) Autor(a)

Equipe PontoPM

Equipe PontoPM