pontopm
Generic selectors
Somente correspondências exatas
Pesquisar no título
Pesquisar no conteúdo
Post Type Selectors

Crime e Gratidão em Nova York

Crime e Gratidão em Nova York foi o título do Editorial sobre a criminalidade, publicado no Jornal The New York Times, no último dia 7 de janeiro.

O Editorial ressalta que, naquela maior cidade do Estados Unidos, a taxa de criminalidade decresce, ano a ano, inclusive, no último ano (2016), quando teria sido verificado crescimento em outras localidades. Na coletiva de imprensa, no dia 4 de janeiro, o Prefeito Bill de Blasio e o Comissário de Polícia James O’Neil alcançaram altos pontos. Foram 1.000 tiros a menos, um recorde de queda, considerando os 5.000 registrados 25 anos atrás, destacou Blasio, enfatizando o horizonte de tempo. Menos 17 homicídios dos 335 registrados em 2016 contra os 352 de 2015, além da diminuição nos crimes de estupros, furtos e roubos. O total de crimes registrados também diminuiu em 4.315, considerando que em 2015 foram 105.921, e, 101.606, em 2016.

Prefeito da Cidade de Nova York Bill de Blasio conversa com policiais

O mais impressionante, destacou o editorial, é como a criminalidade diminuiu quando as políticas policiais e de justiça criminal mudaram drasticamente. A criminalidade caiu quando os policiais da cidade de Nova York registraram centenas de milhares de abordagens todos os anos, e caiu quando foi abandonada a política injusta – no ano de 2016, foram abordados 10.000 nova iorquinos.

A criminalidade caiu mesmo quando Nova York abandonou políticas antigas e duras contra a criminalidade, reduzindo acentuadamente a quantidade de prisões e espaços de encarceramentos. Uma pesquisa realizada em Harvard Kennedy School evidenciou queda de 58%, nas prisões e encarceramento, e, 58%, nos crimes violentos. Isso indica, ressalta o Editorial, que Nova York não é apenas a maior e mais segura cidade americana, mas também a que tem o menor número de encarceramentos proporcional ao seu tamanho.

Houve queda na criminalidade depois que a Câmara Municipal aprovou uma reforma na legislação sobre o processo de convocação e suavização do uso da maconha e outras violações menores. Ele continuou caindo mesmo quando os críticos de Blasio insistiram que sua eleição tinha condenado a cidade a voltar aos dias de tiroteios, pichações, incêndios culposos e arrastões.

A notícia é boa, mas 335 homicídios em uma cidade com mais de 8,5 milhões de pessoas causam muita tristeza humana. O Jornal The Times passou o último ano verificando cada homicídio registrado na 40ª Delegacia no Sul de Bronx, um dos vários bairros tumultuados por gangs, drogas e armas, onde a violência e a pobreza e a desconfiança são resistentes à polícia. Os nova-iorquinos não compartilham o dividendo de paz que a cidade como um todo goza.

A série Times observou que bairros fora de Manhattan não conseguem os mesmos recursos que aqueles de lá para fazer face a criminalidade. Verificou que as equipes de detetives, na área de responsabilidade da 40ª, perderam 8 profissionais entre 2001 e 2015. Enquanto a criminalidade diminuiu um terço naquele período, a taxa verificada para a área da 40ª permaneceu inalterada.

O trabalho do Departamento de Polícia é o mesmo em toda a cidade; seus métodos e seu compromisso com a prevenção da criminalidade também devem ser os mesmos. O desafio para o Prefeito Blasio e o Comissário O’Neil é continuar diminuindo a violência nos pontos críticos, empregando os recursos o mais justo e eficazmente possível.

Uma descrição comum do Prefeito Blasio – alimentada por seus críticos e amplificada por notícias sensacionalistas e televisivas – e que ele negligencia a governança de grande importância enquanto persegue inepta ambições motivadas pelo ego. Alguns apontam para problemas como a falta de moradia, um desastre sem solução, de câmara lenta sob o prefeito, como prova de sua incompetência.

Mas a persistência da queda da criminalidade conta uma outra história. Nova York é mais segura e mais tranquila do que a maioria de nós pode se lembrar. A sua taxa de criminalidade é uma inveja para outras cidades americanas – mais tragicamente Chicago, mas também Detroit, Phoenix, Dallas, Memphis, Las Vegas, San Francisco, Honolulu, Boston e outras, onde as taxas de homicídios são crescentes. O Prefeito Blasio e seus comissários, William Bratton e agora O’Neil, bem como os 36.000 policiais do departamento, merecem muito crédito, e a gratidão da cidade.O Prefeito Blasio e seus comissários, William Bratton e agora O’Neil, bem como os 36.000 policiais do departamento, merecem muito crédito, e a gratidão da cidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre o(a) Autor(a):

Picture of Isaac de Souza

Isaac de Souza

(1949 _ _ _ _) É Mineiro de Bom Despacho. Iniciou a carreira na PMMG, em 1968, após matricular-se, como recruta, no Curso de Formação de Policial, no Batalhão Escola. Serviu no Contingente do Quartel-General – CQG, antes de matricular-se, em 1970, e concluir o Curso de Formação de Oficiais – CFO, em 1973. Concluiu, também, na Academia Militar do Prado Mineiro – AMPM, os Cursos de Instrutor de Educação Física – CIEF, em 1975; Informática para Oficiais – CIO, em 1988; Aperfeiçoamento de Oficiais – CAO, em 1989, e Superior de Polícia – CSP, em 1992. Serviu no Batalhão de RadioPatrulha (atual 16º BPM), 1º Batalhão de Polícia Militar, Colégio Tiradentes, 14º Batalhão de Polícia Militar, Diretoria de Finanças e na Seção Estratégica de Planejamento do Ensino e Operações Policial-Militares – PM3. Como oficial superior da PMMG, integrou o Comando que reinstalou o Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Sargentos, onde foi o Chefe da Divisão de Ensino de 92 a 93. Posteriormente secretariou e chefiou o Gabinete do Comandante-Geral - GCG, de 1993 a 1995, e a PM3, até 1996. No posto de Coronel, foi Subchefe do Estado-Maior da PMMG e dirigiu, cumulativamente, a Diretoria de Meio Ambiente – DMA. No ano de 1998, após completar 30 anos de serviços na carreira policial-militar, tornou-se um Coronel Veterano. Realizou, em 2003-2004, o MBA de Gestão Estratégica e Marketing, e de 2009-2011, cursou o Mestrado em Administração, na Faculdade de Ciências Empresariais da Universidade FUMEC. Premiado pela ABSEG com o Artigo. É Fundador do Grupo MindBR - Marketing, Inteligência e Negócios Digitais - Proprietário do Ponto PM.